domingo, 18 de agosto de 2013

Luiz Roberto

O maior ladrão da história de Montes Claros
Na mira da Justiça

O por enquanto prefeito de Montes Claros, outrora “Luiz Roberto”, codinome que inventou quando deu o golpe no Banco do Brasil, o que faz dele o maior ladrão da história de Montes Claros, processou o Daqui por injúria e difamação. Ele e a esposa Tânia Muniz pedem indenização de R$ 24 mil. As matérias objeto da ação foram publicadas na edição de abril do ano passado, que trouxe a seguinte manchete: “Cem dias, sem nada”.
Quem representa o casal é um folclórico advogado amigo do crime, cuja carreira foi conduzida pelo ex-prefeito Luiz Tadeu Leite, a quem ele sempre prestou serviços. Todas as acusações feitas por ele contra o jornal carecem de fundamentação, visto que a própria transcrição das matérias desqualifica as denúncias. Não há injúria nem difamação. Apenas a divulgação de fatos notórios. É uma nulidade em termos jurídicos, mas, em compensação, a peça vale como motivo para boas gargalhadas. É divertido observar como o desprovido causídico se enrola ao tentar ser rebuscado, utilizando desastradamente citações de pensadores, cometendo erros de português primários e, ele próprio, produzindo contraprovas contra si. Sem contar os exageros de linguagem e a eloquência destituída de talento.
Um das características dele, a leviandade, novamente se faz presente, quando, sem citar o nome, coloca um deputado como dono do jornal, além de fazer graves e infundadas acusações contra ele. Embora seu estilo cafajeste e fanfarrão seja inconfundível e de conhecimento geral, quem assina a defesa é o advogado Herbert Carlos Mourão Veloso.
A ofensiva contra o Daqui, que não deverá ter guarida na Justiça, tem o único objetivo de intimidar e tentar calar a única voz de oposição na imprensa local. Não é agradável para ele que alguns fatos sejam relembrados.
“Luiz Roberto” se esconde na condição de “educador” para esconder seu tenebroso passado. Ele começou seu patrimônio com um assalto ao Banco do Brasil, em Belo Horizonte. Teria sido o primeiro dinheiro ilícito adquirido por ele em sua carreira. O roubo aconteceu em 1987. Então estudante, Muniz e seu comparsa, Setembrino Lopes, arquitetaram um golpe que resultou no desfalque de R$ 1 milhão dos cofres públicos. Ele ficou pouco mais de um ano preso.

Depois do BB, tomou gosto pelo crime

Naquela época, pagamentos de prefeituras que tinham contas no Banco do Brasil eram feitos por meio do telex. A prefeitura encaminhava um telex com sua senha e o banco realizava o pagamento.
Setembrino Lopes, que era funcionário do Banco do Brasil, conseguiu a senha da Prefeitura de Janaúba. Eles foram à cidade, alugaram um equipamento de telex e enviaram um documento para a agência central do Banco do Brasil, na capital mineira, com uma ordem de pagamento equivalente hoje a cerca de mais de R$ 1 milhão em nome de Luiz Roberto de Souza Marques, nome fictício inventado pelos assaltantes.
Muniz se apresentou como Luiz Roberto e conseguiu sacar o dinheiro. Ele aplicou sua parte no roubo.
Poucos dias depois do crime, seus comparsas foram presos e o entregaram. Depois de cumprir pena, “Luiz Roberto” retornou a Montes Claros onde deu início à sua carreira política e empresarial.
Na sua vasta carreira de crimes, também são famosos em Montes Claros o golpe que lhe propiciou a propriedade do Colégio São Norberto, que pertencia ao padre Adherbal Murta de Almeida. A escola acabou nas mãos de “Luiz Roberto” sem que ele tenha pago um único centavo. O padre faleceu em 2008, de câncer de intestino. Para pessoas mais próximas do religioso garantem que ele morreu de desgosto, estado de espírito que teria agravado a doença.
Um dos golpes mais recentes vitimou a médica Karla Veloso Campos, que o acusou em sua página no facebook de ter lhe “roubado” a Faculdades Ibituruna. No corre-corre do hospital, a médica anestesista tinha ainda que assinar a papelada burocrática da Faculdade. Aproveitando-se disso, o por enquanto prefeito mandou um documento constando uma suposta venda da parte dela para ele. Karla teria assinado o documento sem ler. Ele, imediatamente, foi cartório e passou a faculdade para seu nome.
"Sou mais uma vitima dos atos do Sr Ruy Muniz...O seu mau-caratismo gritou mais alto. A Faculdade FASI, como todos sabem, era de Gilson Caldeira, que nunca vendeu a mesma para Ruy Muniz e sim para mim. Posteriormente, repassei metade das ações para Ruy. Hoje, ele se intitula dono sem sócios, mas perguntem a ele como conseguiu o restante das ações? Garanto que não vendi nada para ele, mas já que ele se apossou, estou implorando para que ele pague por essas ações, pois a minha divida com Gilson Caldeira tem que ser paga e não vou falar mais nada por enquanto.
Espero que este senhor resolva logo ou que alguém consiga convencê-lo a agir com honestidade, afinal ele está prefeito de Montes Claros", escreveu na rede social.

Mais uma investigação contra Muniz
Agora são os negócios dele no Rio de Janeiro, onde haveria fraude em faculdade controlada pelo por enquanto prefeito
O por enquanto prefeito, aqui reunido com seu aliado Tadeu e puxa- sacos, responde por mais um crime
A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) pediu ao Ministério Público Federal (MPF) que indicie o por enquanto prefeito de Montes Claros e mais cinco pessoas acusadas em relatório da Comissão Parla-mentar de Inquérito (CPI), que investiga denúncias contra universidades particulares do Rio, de lesar o fisco e de fornecer diplomas falsos. Muniz é controlador da Universidade Santa Úrsula (USU) naquele Estado e, segundo o relatório, faz parte da máfia das instituições de ensino superior particulares. A USU é investigadas por aumento abusivo de mensalidades, atraso nos salários dos professores e ainda por uma suposta venda de diplomas a estudantes que faziam cursos a distância.
A CPI foi instaurada para apurar denúncias relativas à gestão fraudulenta, enriquecimen-to ilícito, desvio de recursos públicos, apropriação indébita, lavagem de dinheiro, propaganda enganosa, precarização das relações de trabalho, inclusive com assédio moral, extinção arbitrária de conselhos universitários, manipulação e repressão às representações de professores, alunos e outros servidores, criação de monopólios e deterioração da qualidade do ensino nas entidades particulares de ensino superior.
Os ministérios públicos Federal, Estadual e do Trabalho estão investigando acordo de recuperação financeira da Universidade, em até 10 anos. Segundo denúncias, os docen-tes não foram consultados, as dívidas foram minimizadas e prédios que servem de mora-dia e que não podem ser executados serviram de garantia.
Ao mesmo tempo, outros imóveis que pode-riam ser executados foram excluídos do acordo. Os pagamentos dos poucos funcioná-rios e professores que ainda permanecem na instituição não estão regularizados. Muitos recebem apenas parte de seus salários e alguns alegam não estar recebendo extratos do FGTS, normalmente enviados quando ocorrem recolhimentos, condição indispensá-vel ao prosseguimento do Plano Especial de Execução.
Entre as várias acusações que pesam contra o por enquanto prefeito está também a tentativa de comprar um imóvel altamente valioso, situado no bairro Laranjeiras, na cidade do Rio de Janeiro, pertencente à massa falida da Universidade Santa Úrsula, imóvel que, pelo fato de pertencer a uma entidade filantrópica, por lei deveria ser doado a outra entidade filantrópica.
O Sindicato dos Professores de Minas Gerais (Sinpro) denunciou que Muniz desviou mais de R$ 100 milhões em um esquema que utiliza a filantropia em benefício próprio e de seus familiares, em Minas Gerais e em outros Estados. A Polícia Federal, a Controladoria Geral da União, o INSS e a Receita Federal estão fazendo uma devassa nas empresas dele.
"Foram diagnosticadas irregularidades na recuperação financeira da Universidade Santa Úrsula, controlada pelo senhor Ruy Muniz. A recuperação financeira da instituição foi indevida, com dívidas minimizadas e, o pior, o que foi dado como garantia foram prédios que servem de moradia e que não poderiam ser executados como tal. Deve-se destacar também que em nenhum momento os docentes foram consultados para participar de tal processo." Relata o deputado Paulo Ramos, presidente da CPI, informando ainda que o ainda prefeito de Montes Claros é um mentiroso, pois informou na CPI que os salários de seus empregados estavam regularizados, o que não é verdade.
Fonte Jornal Daqui

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PEDE CASSAÇÃO DO PREFEITO DE MONTES CLAROS, RUY MUNIZ

O Ministério Público Estadual concluiu que houve abuso do poder político na eleição para prefeito de Montes Claros e pede a cassação e inelegibilidade de Muniz e de seu vice até 2020.

O Ministério Público Eleitoral (MPE) acatou pedido da Coligação a Mudança é Agora, proposta durante o período eleitoral por meio da Ação de Investigação de número 1240-68.2012.6.3.0184, entendendo pela comprovação de abuso de poder político, que comprometeu o pleito de 2012. O parecer declara a inelegibilidade do prefeito Ruy Adriano Borges Muniz e de seu vice, José Vicente Medeiros, por 8 anos, além da cassação dos diplomas dos mandatos de ambos.
As investigações comprovaram que Ruy Muniz utilizou a máquina pública para se eleger, tendo sido beneficiado pelo então prefeito Luiz Tadeu Leite, o MPE atesta que o apoio do ex-prefeito a Muniz ocorreu, na prática, com o empenho da Prefeitura para elegê-lo.
Segundo os autos, a municipalidade e seus servidores foram utilizados na campanha do candidato que viria a ser eleito. Em pelo menos duas ocasiões, funcionários das secretarias municipal de Educação e de Agricultura foram cooptados a comparecer a eventos de campanha de Muniz, um no Parque de Exposições de Montes Claros, no dia 22 de outubro de 2012, às 10 horas; e outro na casa do próprio candidato no dia 23 de outubro de 2012, às 17 horas. Os promotores avaliaram que isso causou desequilíbrio no pleito em favor de Ruy Muniz.
Conforme apurou o MPE a funcionária Paloma Valéria de Assis Carvalho encaminhou e-mail a diversos servidores a mando da secretária de Educação à época, Mariléia de Souza, convidando para a reunião na casa do candidato Ruy Muniz.
As investigações comprovaram também que os convites para o evento no parque foram impressos em folhas de ponto da própria Secretaria de Agricultura, em nome da servidora Eva Patrícia Santos Silva, que ocupou o cargo de operadora de poço artesiano até 31\12\2012. “Em relação aos e-mails também fica claro a mobilização de servidores públicos durante a campanha, gerando ilícito eleitoral”, diz o parecer do MPE.

CPI das Universidades Privadas no Rio indica suposta venda de diplomas

Quatro faculdades são investigadas; 6 pessoas foram indiciadas.
Atrasos nos salários, mensalidades altas e ensino à distância são alvos.
Do G1 Rio

O relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a "má gestão" das universidades privadas Sociedade Unificada de Ensino Superior e Cultura (Suesc), Cândido Mendes, Gama Filho e UniverCidade, pediu o indiciamento de seis pessoas. O documento foi votado e aprovado nesta quinta-feira (18) na Alerj e será levado ao Congresso Nacional.
Procurada pelo G1, a Galileo Educacional, empresa mantenedora da Universidade Gama Filho e da Universidade, no Rio, informou que as duas instituições não possuem ligações com as denúncias.
As denúncias apontam para aumento abusivo nas mensalidades e, apesar disso, o atraso de salário de professores. O relator, deputado Robson Leite (PT), disse que o documento tem a intenção de provocar um debate sobre a mercantilização do ensino superior. Dentre as denúncias, há também a suposta "venda de diplomas" a alunos que cursavam as disciplinas à distância.
Dentre os indiciados estão Candido Mendes e Alexandre Kazé, da Universidade Candido Mendes (Ucam), Márcio André Mendes Costa (ex-controlador do Grupo Galileo, que administrou a UniverCidade e a Gama Filho entre 2010 e 2012), Rui Muniz, da Universidade Santa Úrsula, e Igor Xavier e Rodrigo Calvo Galindo, do Grupo Kroton, que administravam a Sociedade Unificada de Ensino Superior e Cultura (Suesc).
"Esse trabalho não se encerra aqui. É preciso que todos os setores da sociedade se envolvam e se engajem para a melhora do nosso ensino superior privado", finalizou o presidente da Comissão, Paulo Ramos (PDT).